Entrevista ao Treinador: Ricardo T. Barata

Entrevista ao Treinador: Ricardo T. Barata -Escola de Guarda-Redes

1. Pequena apresentação pessoal 
Ricardo Themudo Barata, 39 anos, treinador UEFA B nível II.
Antigo praticante em clubes de Cascais, com uma passagem pelas captações do Sporting Clube de Portugal já no escalão de Juvenil, embora não tenha obtido colocação no plantel.

 

2. Quando começou no mundo do Futebol?

Iniciei no escalão de infantil com 11 ou 12 anos na Associação Familiar e Desportiva da Torre. Sempre como Guarda-Redes, tal como os restantes treinadores da academia.

 

3.Conte um pouco do seu percurso profissional 

Como treinador iniciei o meu trajecto também na Associação Familiar e Desportiva da Torre, nos escalões de formação. Fui acumulando escalões e acabei por assumir a equipa sénior do clube, trabalho esse que foi coroado com uma subida de divisão.
Depois chegou a necessidade de mudar de ares e seguiu-se um ano no MTBA no Magoito, seguido de uma mudança para o Grupo Desportivo Malveira da Serra, onde estou vai para 3 temporadas. Actualmente como treinador das equipas juniores e
seniores.

É no ano da mudança para o MTBA, que criamos a Academia de Guarda-Redes, juntamente com o meu braço direito e sub coordenador, o mister Bernardo Bonucci.

 

4.Qual a maior dificuldade em treinar crianças/jovens e como contornar essa dificuldade? 

A maior dificuldade prende-se com a dificuldade de manter as crianças focadas por grandes períodos de tempo. Ser disperso, até mesmo um pouco aéreo, é normal na infância. Temos que encurtar as durações das actividades/exercícios para não se
dispersarem. Procurar evitar grandes doses teóricas de modo a que haja uma efectiva retenção da informação transmitida.
Temos que apelar ao nosso lado mais infantil por vezes para que o treino resulte num misto de trabalho e brincadeira. Mas o desafio é francamente estimulante.


5. Indique um momento que tenha ficado na memória durante o percurso no Clube Desportivo de Belas 

Chegar ao clube no primeiro treino da semana e um Guarda-Redes dizer que foi capaz de defender um penalti, utilizando as técnicas que haviamos trabalhado ao longo da semana anterior.
As crianças têm um sentido de justiça muito apurado. Aquele reconhecimento de que o ensinamento produziu um resultado palpável é a sensação do dever cumprido.

 

6. Quais são as suas perspetivas futuras enquanto treinador desportivo 

A nível pessoal mais formação profissional e consequente evolução nos próximos níveis da cédula de treinador.
Relativamente ao futuro da academia, projectar os nossos atletas para voos mais altos no futuro será sempre uma alegria e o sinal do dever cumprido.

 

7. Na sua opinião, qual é a importância da Escola de Guarda-Redes?

A Academia de Guarda-Redes assume um papel fundamental na evolução dos nossos atletas. É uma vertente do treino que ainda é muito esquecida, e é por aqui que é possível ter Guarda-Redes a evoluir, com correcção específica, com um trabalho adaptado às necessidades específicas da posição e do atleta.
Temos atletas que nos procuram fora do seu contexto de clube no nosso polo de treinos em Cascais precisamente por sentirem que aquilo que lhes é fornecido nos seus clubes não é suficiente e pode condicionar a sua evolução.

Belas é um bom exemplo do cuidado a ter na formação dos Guarda-Redes.

 

8. Quais são os benefícios e vantagens do Clube ter uma Escola de Guarda-Redes?

As vantagens prendem-se principalmente com a motivação dos atletas, com a sua evolução, mas não menos importante, com o sinal que o clube transmite de não descurar essa posição tão específica do jogo.
Quem quer exigir, tem que dar condições para que essa exigência seja proporcional. Belas faz isso como poucos. Condições máximas, para exigir o máximo. É esse o caminho.

Um website emjogo.pt