Entrevista ao Treinador Nuno Marinho

1. Pequena apresentação pessoal

O meu nome é Nuno Marinho e tenho 39 anos. Em termos académicos sou licenciado em Educação Física e Desporto e Mestre em Treino Desportivo contextualizado em Futebol pelo Instituto Superior de Ciências Educativas. Tenho ainda uma pós-graduação em Preparação Física contextualizada em Futebol.

Sou um apaixonado pelo mundo do futebol e da formação em especial.

 

2. Quando começou no mundo do Futebol? Conte um pouco do seu percurso profissional .

Como atleta (se me poderei denominar atleta com o meu percurso (: ) representei dois clubes, sendo eles, a Sociedade Musical e Desportiva de Caneças (vulgo Caneças) na formação e o Futebol Clube o Despertar em futsal como sénior. Em ambos os casos apesar de muita entrega e vontade os pés não colaboraram com a qualidade necessária para que pudesse vingar como atleta de futebol :)

Como Treinador creio que tive mais sorte. Tive a sorte de começar num clube que trabalha bastante bem os escalões iniciais da formação, sendo ele o Clube de Futebol Metodologia TOCOF a convite do Prof. Doutor Valter Pinheiro onde pude aprender a extrema importância do trabalho bem executado nos escalões de base, algo que pode e deverá ser conseguido mesmo sem ter as melhores e maiores infraestruturas. A qualidade da preparação, imaginação, elaboração e execução do treino é que fazem toda a diferença . As experiências vividas nesses dois anos que tive o prazer de representar o TOCOF ficaram marcadas para sempre e marcaram o meu percurso como treinador de futebol.

Tive depois a sorte de trabalhar em clubes como o Clube Desportivo de Belas (numa primeira passagem), Sporting Clube Linda-a-Velha e Escola de Futebol "Os Belenenses" Odivelas onde pude colocar em prática as minhas (e do Tiago Caramelo que me acompanha desde sempre neste trajeto) ideias e convicções tendo a sorte de ter pessoas que sempre confiaram no meu trabalho e me deram a autonomia necessária para que as pudesse colocar em prática.

 

4. Qual a maior dificuldade em treinar crianças/jovens e como contornar essa dificuldade?

Não creio que se possam definir dificuldades como algo intransponível no treino de crianças e jovens. Creio que existem treinadores mais capazes e mais aptos para treinar crianças e jovens e  treinadores menos capazes e menos aptos para treinar as mesmas crianças e jovens. Muitas vezes esta separação resulta da vontade que a maioria dos treinadores tem em treinar escalões séniores, colocando esse objetivo como prioridade máxima, usando os escalões de formação apenas como um meio para atingir um fim. Fala-se muitas vezes que os melhores treinadores terão de estar enquadrados na formação, especialmente nos escalões de base, no entanto, são poucos os treinadores que aceitam abdicar da visibilidade e notoriedade que pensam que poderão alcançar ao treinador os escalões séniores em detrimento do treino com crianças e jovens juntamente com as poucas condições oferecidas aos treinadores de formação.

Se tiver de salientar um dos aspetos/dificuldades que por vezes está aliado ao treino de crianças e jovens e com a qual os treinadores sentem algum tipo de dificuldade a lidar prende-se com a relação com os Encarregados de Educação e a pressão que por vezes é exercida (algumas vezes inconscientemente) sobre os atletas e as decisões do treinador. Para este tópico/dificuldade não se trata de contornar mas sim de incluir. Incluir os Encarregados de Educação no processo formativo desportivo dos atletas. Se na Escola existem reuniões, avaliações e partilha de informação sobre o que é lecionado porque não deverá haver o mesmo no futebol?

Incluir os Encarregados de Educação no processo, explicando os objetivos, partilhando avaliações, efetuar reuniões de início de época e durante a época. Acima de tudo ter em mente que apenas 1% dos atletas federados chegam a ser jogadores profissionais pelo que o desenvolvimento social e humano tem de ser uma prioridade tão importante como o ensino de futebol. Estas para mim são algumas das estratégias que deverão ser empregues aquando do relacionamento com os Encarregados de Educação.

 

5. Indique um momento que tenha ficado na memória durante o percurso no Clube Desportivo de Belas

Tenho vários momentos marcantes e importantes em todas as minhas épocas no Clube Desportivo de Belas. Se tivesse de escolher um e no seguimento do explanado na pergunta anterior, teria de ser um momento na época 2016-2017 que personificou o que para mim é o trabalho de formação e o envolvimento entre Clube, Treinadores e Encarregados de Educação, tendo o atleta como figura central.

No seguimento do objetivo de introdução de uma componente de consciencialização social, desafiamos os atletas e os Encarregados de Educação, para entre todos pensarem numa instituição para a qual gostassem de contribuir e numa forma de o podermos efetuar, neste caso a Operação Nariz Vermelho. Trabalhámos para este objetivo durante a época, com o desejo que pudesse contribuir para a evolução dos atletas enquanto indivíduos únicos que eram e como grupo.

No final daquela época podemos dizer com toda a certeza que deixamos de ter atletas que apenas se preocupavam com o individual para termos atletas que se preocupavam igualmente com as necessidades dos colegas e do grupo.

Como Treinador, foi dos melhores momentos.

19667739_2320488104843890_560023730116369705_o.jpg

 

6. Quais são as suas perspetivas futuras enquanto treinador desportivo

As minhas perspetivas futuras enquanto treinador passam por continuar a sentir que o trabalho realizado é importante e que contribui para  a evolução destes atletas enquanto desportivas e indivíduos.

Um website emjogo.pt